CRIANÇAS VEGETARIANAS - PARTE 1


Texto de Beatriz Medina
e-mail: beatriz@guiavegano.com

26/03/2005

Propuseram-me este tema. Resisti, a princípio. Mãe de cinco, três moças e dois rapazes, entre 30 e 15 anos, todos criados com dieta vegetariana naturista, encontro-me hoje numa estranha situação em que sou considerada a vilã da novela pelas três meninas (que optaram por uma alimentação comum) e como a melhor mãe do mundo pelos dois garotos (que, depois da rebeldia adolescente, voltaram a deixar de lado a carne e os excessos industrializados).

Ou seja, como mãe, ando perdendo de 3 a 2.

Mas, como hoje em dia todos são fisicamente saudáveis (e meu lado coruja diria: belíssimos), acho que não errei tanto assim, pelo menos na parte nutricional. E é disso que vou tratar.

Quando digo que criei meus filhos sem carne, é comum ser crivada de perguntas: e as crianças não ficaram desnutridas? fracas? doentes? sem proteína? Claro que não. Como não canso de repetir, além de nociva ao organismo humano a carne é desnecessária. Só entendo seu consumo em caso de total privação de alimentos vegetais — no inverno da Groenlândia, do Alasca ou da Sibéria, por exemplo — e, mesmo assim, como alimento de emergência.

Logo, acredito que nenhuma criança precisa de carne.

Pior ainda quando digo que criei meus filhos sem lhes dar açúcar. Coitadinhos! Nem uma balinha? Não. Nem um bolinho de aniversário? Bolo de aniversário sim, mas de mel (não sou vegana, lembram?) ou de açúcar mascavo. Nem um ovinho de Páscoa? Bom, ganhavam na escola, minha mãe também lhes dava imensos ovos de bom chocolate, mas ficavam na geladeira e iam sendo comidos aos poucos.

Criança nenhuma precisa de carne e de açúcar refinado. Essas coisas não são alimento.

Bom, depois desta introdução meio sem fôlego, vou entrar nos detalhes. Tratarei hoje de como alimentei meus filhos quando bebês.

Como conselho preliminar, recomendo que, antes da criança nascer, procurem um pediatra que seja bem informado e conheça bem a nutrição vegetariana. Isso evitará atritos e permitirá uma atenção melhor aos problemas que surgirem com a criança, sem a desculpa boba “ah, ela está assim porque não come carne”.

Durante os primeiros seis meses, amamentei meus filhos (com exceção da mais velha, coitadinha; na época, eu ainda acreditava em pediatras alopáticos tradicionais e o que me atendia recomendou-me “complementar” a amamentação com leite em pó porque meu leite devia estar “fraco”, já que ela era muito magrinha — e olhem que isso foi antes de eu mudar minha alimentação, ou seja, eu comia carne três vezes por dia!).

Não acreditem nessa bobagem de “leite fraco”. Leite fraco não existe. Quando a mãe não se alimenta bem, o corpo tira de si mesmo tudo o que é preciso para que a criança seja bem nutrida; tira gordura dos tecidos, proteína dos músculos, cálcio dos ossos e dentes e mantém o leite completo. A mãe tem de estar num nível muito alto de desnutrição para seu leite ficar “fraco”.

Mesmo quando tive de voltar a trabalhar antes do bebê completar seis meses, não parei de amamentar. Acrescentei, antes dos seis meses mas sempre a partir do quarto mês, frutas: banana amassada, maçã e pera raladas, mamão amassadinho (mais ou menos nesta ordem). Tive a sorte de encontrar uma ama de leite maravilhosa para cuidar de uma de minhas filhas quando precisei voltar a trabalhar e ela estava só com dois meses.

A partir dos seis meses, além da fruta, acrescentava cereais integrais (arroz, aveia ) muito bem cozidos — no caso do arroz e da aveia em grão, de quatro a cinco horas de cozimento em fogo muito baixo e com bastante água. Ah! Sem sal. Juntava, um a cada refeição, legumes picadinhos como cenoura, chuchu, batata-baroa (mandioquinha), inhame, abóbora. Ou então até mesmo banana ou maçã. Passava tudo na peneira, para não ficar “lisinho” demais. Se não tinha paciência ou tempo, usava o liquidificador, mas sempre amassava uma parte na peneira ou no garfo porque acho que a criança precisa se acostumar com a textura. Lisinho já basta o leite.

Lá pelos sete meses, passava a dar leguminosas, de preferência lentilha, cozida junto com o arroz ou em separado. Entre os feijões, escolhia o azuki, de grão pequenino e fácil de digerir. Também usava ervilha. Feijão preto e de cores eu dava mais tarde, lá pelos nove meses.

Também nesta época, entre os sete e os nove meses, começava a juntar verduras de folha à sopinha: couve, agrião, alface, espinafre, bertalha. Não costumava dar chicória, que é amarga e poucas crianças gostam. E colocava um pouco de azeite na sopa. Eu usava azeite cru; algumas gotas misturadas na sopa. Mas não fazia isso em todas as refeições nem todos os dias.

Ah! Enriquecia as sopinhas com suco de salsa crua: lavava bem, passava na peneira, misturava o suquinho com a sopa. É muito rico em vitamina C e sais minerais. Dá para fazer com outras folhas também, como coentro; já do agrião cru, muito rico e picante, as crianças não costumam gostar. E oferecia, entre as refeições, suquinho de laranja-lima, puro ou misturado com a papinha de fruta. Para quem tem centrífuga, suco de cenoura também é uma boa — só não exagere, porque pode deixar a criança meio amarelada! Eu fazia ralando a cenoura e espremendo num pano, mas dava trabalho demais.

Vocês podem notar que não dava ovo para os bebês. Nunca achei necessário. Crianças com mais de nove meses digerem bem o ovo. Se você se sentir mais segura, misture a gema cozida e amassada à sopinha duas vezes por semana (era o que a pediatra aconselhava e eu não seguia.)

Sempre fiz toda a comida dos meus bebês sem sal e sem açúcar. Só dei sal aos meus filhos depois de um ano e mesmo assim pouquinho (comemos muito pouco sal aqui em casa). A criança, assim, não fica com o paladar viciado.

Como a comida aqui em casa é muito simples (basicamente arroz integral cozido com água e pouco sal, feijão temperado com ervas, legumes, verduras e frutas cozidos ou crus), com um ano, quando nasciam os dentes, a criança já podia comer da nossa comida. Só o arroz eu dava uma “refervura” para ficar mais molinho até que nascessem os dentes de trás.

Tudo isso sem parar de amamentar, viu, pessoal? Só desmamei meus filhos (repito, com exceção da mais velha) por volta dos dois anos de idade.

Agora, conselhos de mãe (aceite ou não, fica a seu critério):

- Não faça cara feia quando der comida ao seu bebê. Se ele achar que você não gosta, não vai querer comer. Não pense: coitadinho, tem de comer esse troço horrível e sem sal. O troço não é horrível e você é que acha insosso, não a criança, cujo único parâmetro de comparação é o leite (aliás, dulcíssimo; leite humano é muito mais doce que leite de vaca. Se duvida, prove.)

- Se a criança não quiser comer, não se preocupe. Pular uma refeição não mata ninguém. O bebê terá mais fome na refeição seguinte.

- Se a criança nunca quer comer com a mãe, talvez seja porque prefere mamar. Aí talvez o melhor seja outra pessoa dar a comida.

- É preciso estar calmo e com vontade de dar de comer à criança. A refeição tem de ser prazerosa tanto para o bebê quanto para você! Quando a gente está estressado, irritado ou com pressa, é melhor que outra pessoa alimente o bebê. Se não houver outra pessoa, tome um chazinho, respire fundo, pense que o neném merece o melhor de você e tente esquecer os problemas nesta hora. Uma pessoa tensa deixa o bebê tenso (eles são muito mais atentos e sensíveis do que a gente pensa) e quem está tenso não consegue comer direito.

Acho que por enquanto está bom. Na próxima, falo das crianças maiorzinhas.

Autora do texto: Beatriz Medina
Quase 30 anos de vegetarianismo
e-mail: beatriz@guiavegano.com

CONTINUAÇÃO DO TEXTO

Veja também o tópico "PAPINHAS" na página 374 de receitas vegetarianas deste sítio.

FONTE:
www.guiavegano.com.br
Copyleft: cópia permitida com link e citação.

Índice das Receitas Vegetarianas

A a E    F a P    Q a Z

Índice Geral de Vegetarianismo

Receitas vegetarianas, macrobióticas,
Substitutos veganos, dicas sobre crianças...

Notas de Euro Oscar

Sobre Direitos Autorais e acerca do trabalho

Google
 
Web www.eurooscar.com

www.eurooscar.com  -  eurooscar@gmail.com
©Todos os Direitos Reservados

Política de Privacidade - Privacy Policy

Se não vê o menu esquerdo de navegação clique aqui.

Only if you are not seeing the left navbar click here.

Home