Wagner Borges 139



Algumas Palavras na Luz





Por Wagner Borges

(Postado na Lista Interna do Grupo de Estudos do IPPB na Internet)

Pessoal, passei a limpo um texto antigo. É um dos escritos mais importantes que já fiz (e que ser humano da Terra, plano das emoções manifestadas na carne, pode se considerar fora do conteúdo dos toques conscienciais aqui inseridos?).


Às vezes, lendo um texto desses, de que eu nem me lembrava, entre tantos outros escritos, fico agradecido a um Poder Maior que me permite estar aqui para escrever coisas assim.


E, pergunto novamente: Quem é humilde - e forte, por isso mesmo -, o suficiente, para reconhecer os véus escuros que prendem o seu divino potencial e mudar algo, dentro do coração, para fazer os olhos brilharem muito, mesmo em tempos fortes de Maya?


Quem é capaz de perdoar realmente e fazer uma nova canção de vida? Quem consegue reconhecer a Luz e fazer jus a Ela? Quem consegue ser gente, mesmo sendo espírito?


E quem reconhece ser um espírito, aqui e agora, mesmo no meio de tanta gente?
Quem é capaz de carregar um grande amor num pequeno coração humano?
Quem chama a Luz, a não ser a própria luz, por semelhança?
Então, como dizem os sábios espirituais, "quem quer mais Luz, que seja Luz!"
E, quem compreenderá isso, a não ser alguém que também busca essa Luz?
O que, no mundo, ninguém vê, o Céu lê nas entrelinhas do coração, e compreende...
Que, pela Luz que cada um irradia em torno de si mesmo, aparece a verdade de cada um.
Que os grandes ladrões da Luz do coração são os pensamentos negativos e o orgulho.
Que não adianta andar no mundo com pose de campeão, se, por dentro, a Luz é pequena.
Que grandes vôos exigem asas fortes e disciplina, e não ter medo de altura.
Que só ganha altura quem larga o peso. E só encontra a Luz, quem quer a Luz, realmente.
E, quem compreende isso, a não ser alguém da Luz? Talvez, Alguém Maior, que tudo sabe.
Alguém que compreende as canções e as entrelinhas do coração...
O Amor Que Ama Sem Nome, O Profundo, O Supremo, O Todo que está em tudo!
Que, às vezes, fala aos homens por meio de outros homens, na mesma Luz.
Outras vezes, Ele fala direto ao coração ou no cerne da canção.
Mas, nesse mundo de Maya*, quem escuta? Quem compreende?
E quem é forte para carregar a Luz das estrelas num pequeno coração?
Quem é capaz de mudar a canção do egocentrismo pela canção da consciência cósmica?
E de carregar o sol na cara, mesmo em meio à escuridão e o materialismo exacerbado?
E, ao mesmo tempo, ser professor e médico da própria alma?
A Luz chama a Luz. Quem quer mais Luz, que seja Luz!
Quem compreende isso, em seu coração, realmente
compreende...


Segue-se abaixo o texto, atualizado e com as notas de rodapé adicionadas.


Um abraço a todos.


Wagner Borges - seu colega de evolução.
São Paulo, 31 de julho de 2008.



Nota de Wagner Borges (1)

* Maya – do sânscrito - ilusão; tudo aquilo que é mutável, que está sujeito à transformação por diferenciação.





A Alquimia do Amor

O ser humano é presa fácil do emaranhado de suas emoções mal-resolvidas e, por isso, facilmente perde de vista o amor. Sua teimosia se disfarça de amor próprio e leva-o para o labirinto afetivo. Em decorrência disso, ir de encontro às paredes emocionais sem saída é líquido e certo. Logo, é correto dizer que as pessoas costumam desvalorizar o amor real e, em contrapartida, passam a valorizar as emoções viscosas em seu lugar. Porém, tudo tem um preço: o amor cura e limpa os resquícios emocionais, pois ele é pura transformação. Talvez esse seja o motivo das pessoas desgastarem o amor em seus corações: inconscientemente elas têm medo da alquimia interior causada pelo sentimento profundo. Por isso, é mais fácil deixar-se levar emocionalmente e daí estacionar em velhos dramas de auto-afirmação distorcida. E esse é o caminho mais fácil, pois já foi trilhado tantas vezes no passado, é mais familiar e confortável, apesar de sempre apresentar, posteriormente, os inevitáveis efeitos colaterais de não se sentir completo afetivamente.


Se o amor tem a capacidade de transformar, as emoções fazem exatamente o contrário: prendem os pensamentos nos poços da autoculpa e jogam a auto-estima para o fundo.
E é aí que mora o perigo invisível: muitos espíritos desencarnados também estão mal-resolvidos emocionalmente após a perda do corpo físico e sentem-se atraídos, inconscientemente, para o perímetro energético das pessoas encarnadas que estejam na mesma sintonia. Eles costumam aderir espiritualmente à aura do pulmão, área que reflete a tristeza no corpo e que apresenta uma atmosfera acinzentada em decorrência das energias não fluírem corretamente, por causa do bloqueio emocional correspondente.


Muitas vezes, principalmente quando a causa da distorção emocional está radicada em situações encrencadas de vidas passadas, forma-se uma massa escura na boca posterior do chacra cardíaco*, e isso acarreta um bloqueio na capacidade de sentir limpamente os sentimentos e usufruir da troca afetiva sadia. Pode-se dizer que a pessoa troca as energias rosadas do amor pela massa pesada e escura que carrega sem perceber. Alguns amparadores extrafísicos** chamam isso de "fumaça consciencial". Acho a expressão bastante apropriada, pois a pessoa não consegue ver claramente para onde suas emoções a estão levando e a quantidade de "fuligem psíquica" aderida em suas costas.


Esse é o preço que as emoções densas cobram a quem lhes dá passagem: sempre há uma fumaça impedindo a visão correta do amor verdadeiro. As pessoas não percebem, mas estão pagando um pedágio emocional caro demais para rodarem nas pistas turbulentas e cheias de buracos de suas emoções distorcidas.


Naqueles casos em que lhes seja possível, os amparadores sempre tentam ajudar a desbloquear essas emoções escuras, seja por intermédio de intervenções espirituais efetuadas no corpo espiritual durante o sono da pessoa, quando ela está projetada temporariamente*** para fora do seu corpo físico, de forma inconsciente geralmente, ou seja utilizando-se das energias de alguém próximo para isso ou intuindo-a de que o desconforto que sente é fruto de algo que não anda bem em seu íntimo. Porém, os amparadores não fazem milagres e o seu auxílio sempre tem um limite: o livre-arbítrio da pessoa. Para que eles possam auxiliar efetivamente, é preciso que a pessoa em questão esteja pré-disposta para mudar alguma coisa em suas posturas emocionais. De que adianta tentar ajudar a alguém que não quer crescer?


Espantar as moscas (as energias escuras e os espíritos atrelados nelas) e não fechar a ferida (as coisas mal-resolvidas) não adianta nada. No dia seguinte, novas moscas surgirão atraídas pela ferida ainda aberta e o processo deletério continuará.


De que adianta combater o efeito sem anular as causas que lhe são correspondentes?


Os espíritos pesados são atraídos pelas energias escuras na aura da pessoa. Por sua vez, essas são apenas efeitos das emoções doentes, a causa real do problema.
Portanto, a cura chama-se transformação! E é o amor que transforma e faz transcender os limites primários de manifestação.
Esse é o motivo que leva às pessoas a temerem o amor profundo: É QUE ELE TRANSMUTA O ÓDIO EM PERDÃO E FAZ O CORAÇÃO ESPIRITUAL TORNAR-SE UM SOL.


E poucas pessoas são capazes de agüentar um sol de amor brilhando em seus corações. Poucas são capazes de serem felizes aqui e agora, sem os dramas do passado atormentando o presente.
E por que o instante atual é chamado de presente?
É porque ele é isso mesmo: um presente. É a oportunidade de curar-se do passado e seguir em frente corajosamente para realizar os sonhos sadios na vida que chama.
A vida e o momento são sempre presentes! Mas é preciso ter coragem para receber o presente limpamente.
Da mesma forma, há pessoas que também são presentes da vida:
aqueles que amamos e que nos amam, da Terra, de outros orbes e dos planos extrafísicos. Mas é preciso saber reconhecer o presente e ter a coragem de recebê-lo completamente, sem nenhuma fumaça psíquica agarrada nos abraços e beijos.
É preciso limpar a área e deixar o coração espiritual cheio de energias rosadas para receber o presente.
Amar é uma dádiva! Amar é ser um sol! Amar é estar presente!
Sim, o amor é o grande mestre alquimista: só ele é capaz de transformar as sombras do passado em flores douradas, e os olhos outrora opacos em duas estrelinhas brilhando muito nos caminhos da vida que chama, aqui e agora... forever!


P.S.: Não sei o motivo real de ter escrito tudo isso. Só sei que me sentei e comecei a digitar, enquanto rolava no som o belo CD**** de baladas celtas "Celtic Magic". Talvez esses escritos possam ser úteis para reflexão de alguém (inclusive, eu mesmo).


Enquanto eu escrevia, lembrei-me tanto de Jesus e de seus ensinamentos sobre o amor, o perdão, a espiritualidade, e de que "na casa do Pai há muitas moradas", e "de que adianta a uma pessoa ganhar o mundo, se ela perder a sua alma?"


Ele sempre esteve certo no que ensinava. Mas sempre houve muita fumaça consciencial (nosso egoísmo, nossa ingratidão, nossa religião, nossa teimosia e nossas energias cinzentas) impedindo a visão correta dos homens em cima de seus ensinamentos.


Jesus sempre foi um grande alquimista espiritual. E o amor sempre foi a sua pedra filosofal. E a sua tarefa sempre foi clara: TRANSFORMAR O HOMEM DE FERRO, ENFERRUJADO DE EGOÍSMO, NO HOMEM DOURADO, CÓSMICO E RADIANTE, INICIADO NA LUZ.


Ele ensinou "o amai-vos uns aos outros", não por motivos religiosos, mas porque o amor transmuta e cura as dores do coração. Porque o amor é uma dádiva!


Por isso, eu que não sou cristão nem sigo nenhuma religião feita pelos homens da Terra, dedico essas linhas a Jesus, mestre do amor e grande alquimista da alma.


Paz e Luz.


- Wagner Borges -
(Ser humano com qualidades e defeitos e fã incondicional dos grandes alquimistas da alma que ajudam a humanidade invisivelmente)


São Paulo, 12 de março de 2002.



Notas de Wagner Borges (2)

* Chacra Cardíaco - é o centro de força responsável pela energização do sistema cardiorrespiratório. É considerado o canal de movimentação dos sentimentos. Por isso é o chacra mais afetado pelo desequilíbrio emocional. Bem desenvolvido, torna-se um canal de amor para o trabalho de assistência espiritual. Está ligado à glândula timo. O seu nome em sânscrito é “Anahata”, o inviolável, o invicto, o som sutil do espírito imperecível.


Obs.: Chacras - do sânscrito - são os centros de força situados no corpo energético e que têm como função principal a absorção de energia - prana, chi - do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.


Os principais chacras são sete – que estão conectados com as sete glândulas que compõem o sistema endócrino: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico.


** Amparador extrafísico – entidade extrafísica e positiva que ajuda o projetor nas suas experiências extracorpóreas; mentor extrafísico; mestre extrafísico; companheiro espiritual; protetor astral; auxiliar invisível; guardião astral; guia espiritual; benfeitor espiritual.


*** Projeção da consciência – é a capacidade parapsíquica - inerente a todas as criaturas -, que consiste na projeção da consciência para fora de seu corpo físico.


Sinonímias:


Viagem astral – Ocultismo.
Projeção astral – Teosofia.
Projeção do corpo psíquico - Ordem Rosacruz.
Experiência fora do corpo – Parapsicologia.
Viagem da alma – Eckancar.
Viagem espiritual – Espiritualismo.
Viagem fora do corpo – Diversos projetores extrafísicos e autores.
Emancipação da alma (ou desprendimento espiritual) – Espiritismo.
Arrebatamento espiritual - autores cristãos.


**** Esse CD é uma coletânea de baladas celtas belíssimas. As músicas "Ready For The Storm", "Where Are You", e “Dark Iniseoghain” (3ª, 9ª, e 13ª faixas do CD) são maravilhosas e derretem de amor o chacra cardíaco. Esse CD foi lançado no Brasil pela gravadora Paradoxx há alguns anos e pode ser encontrado nas boas lojas de disco que tenham uma sessão de música New Age ou World Music.


***** Finalizando esses escritos, lembrei-me de uma bela canção cantada pelo menino americano Billy Gillman (CD "Dare To Dream"). Segue-se abaixo a letra traduzida para o português e, na seqüência, a letra no original, em inglês.


(Agradecimentos a Sheila Smith, pela tradução, e a Carlos Alberto Moro, por ter conseguido a letra original).





Meu Tempo na Terra

Meu tempo na Terra,
Longo como possa parecer,
É apenas um momento,
Dentro do grande esquema das coisas.


Um breve refrão
Da canção infinita da vida,
Cantada somente uma vez,
E logo nós partimos.


Meu tempo na Terra!
Cada alento que eu respiro,
É uma chance a mais para compartilhar meu amor
Com aqueles ao meu redor.


Nós chegamos e partimos
Como estrelas cadentes.
A verdade seja dita,
É somente isso que somos.


Quanto mais eu souber,
Mais posso ver
Quanto mais velho eu ficar,
Mais eu acredito.


Não é a longevidade da vida
Nem a profundidade da cova.
Ao final seremos avaliados
Pelo amor que doamos.


Portanto meu tempo na Terra
Depende do destino,
Mas tudo o que acontece
No espaço de ponta a ponta


Depende de mim
E as escolhas que encaro,
Para melhor ou para pior,
São minhas, para serem feitas.


Quanto mais eu sei,
Mais posso ver.
Quanto mais velho eu ficar, Mais eu acredito.


Não é a longevidade da vida
Ou a profundidade da cova.
No final seremos avaliados
Pelo amor que doamos.


Portanto, o meu tempo na Terra
Será bem aproveitado,
E quando eu deixar este mundo
Não deixarei arrependimentos,
Viverei e amarei


Por tudo que vale a pena.
Até terminar de viver
Meu tempo na Terra.
Até terminar de viver o meu tempo na Terra.





My Time On Earth

(Written by: T. Conners, D. Vincet Williams, A. Hughes).


My time on Earth
Long as it seems
Is just a moment
In the grande scheme of things


A short refrain
Of life’s endless song
Sung only once
And then we’re gone


My time on Earth
Each breath I breathe
Is one more chance to share my love
With those around me


We come and go
Like shooting stars
The truth be known,
That’s all we are


The more that I know
The more I can see
The older I grow
The more I believe


It’s not the length of the life
Or the depth of the grave
In the end we’ll be measured
By the love that we gave


So my time on Earth
On fate depends
But all that happens
In the space from end to end


Depends on me
And choices I face
For better or worse
They’re mine to make


The more that I know
The more I can see
The older I grow
The more I believe


It’s not the length of the life
Or the depth of the grave
In the end we’ll be measured
By the love that we gave


So my time on Earth
Will be well spent
And when I leave this world
I’ll leave with no regrets


I’ll live and love
For all its worth
‘Till I live out
My time on Earth
‘Till I live out my time on Earth.



Notas de Wagner Borges (3)

Texto <872><01/08/2008>



Índice deste setor do site



Nota de Euro Oscar

Postado por: Admin (o próprio Wagner Borges) em sábado,
30 de Agosto de 2008 às 17:16, no seu site www.ippb.org.br

Fonte

www.ippb.org.br - Wagner Borges concedeu-me, muito gentilmente, permissão específica para eu aqui aproveitar os interessantes e úteis materiais do seu amplo site. Wagner Borges, além de ter programas no rádio é conferencista de renome internacional, na área da espiritualidade, paranormalidade e metafísica em geral, proporcionando uma visão abalizada e holística aos interessados. Seu Instituto, o IPPB, ministra excelentes cursos. Muito obrigado ao Wagner pela sua valiosa colaboração.

Retribuição e autorização pública

Wagner Borges não me pediu, porém tem a minha permissão, caso assim queira, para aproveitar no seu site (www.ippb.org.br) qualquer material de minha autoria contido neste site (www.eurooscar.com), a saber: minhas poesias, charadas, palavras cruzadas e textos.
Euro Oscar




Google
 
Web www.eurooscar.com

www.eurooscar.com - Autor: Euro Oscar - © 2008
Direitos Reservados - Contato: eurooscar@gmail.com


Se veio até aqui por um link externo e não vê o menu fixo à esquerda, clique aqui, para melhor usar e controlar o site.


Página inicial do site