Wagner Borges 155



Uma Advertência Iniciática



Por Wagner Borges

(Texto postado originalmente na lista interna do grupo de estudos e assistência espiritual do IPPB)


Pessoal, segue abaixo um texto grande que será postado em breve no site na seção de livros da Pensamento comentados.


Trata-se do texto de abertura do livro "A Ciência Secreta" de Henri Durville, publicado na França em 1912.


Originalmente esse livro foi publicado pela Pensamento aqui no Brasil na década de 1950 em um só volume (um calhamaço mesmo). Depois, na década de 1970, foi editado para dois volumes (ainda muito extensos). Finalmente, na década de 1990, a Pensamento editou a obra em quatro volumes (que podem ser adquiridos em separado).


Os dois primeiros volumes são os melhores, pois tratam da espiritualidade baseada no antigo Egito, na Índia e na China.


Há passagens excelentes sobre a iniciação e seus valores elevados, isso numa época em que ainda havia aquele clima espiritual de grande respeito pelas coisas da alma.


Os volumes 3 e 4 são mais voltados ao contexto ocultista ocidental de princípios do séc. 20.


O texto de abertura que estou reproduzindo aqui é do primeiro volume.


Lembro-me de que quando li esse texto, em 1981, na época com 19 anos, fui tomado de grande admiração pelos escritos. Ali estava tudo o que eu sentia intuitivamente dentro de mim mesmo.


Hoje, vinte anos depois, ainda leio essa advertência e sinto nela aquela atmosfera grandiosa que é percebida com o coração. Aquele clima espiritual portador de um selo iniciático que é reconhecido pela alma. Aquele clima que não deixa dúvidas quanto à responsabilidade no caminho espiritual, seja ele aonde for.


Mesmo lido fora do contexto do livro, ainda é algo profundo, pelos valores de reflexão que sugere.


Espero que seja útil para a reflexão de vocês.


Um abraço.


Wagner.



A Ciência Secreta (advertência)



Por Henri Durville - França, 1912



Leitor que vens ao limiar do mistério, qual a força que te impele a vir afrontá-lo? É simples curiosidade? Queres tu, com uma mão ímpia, pois que és indiferente, levantar o véu que te oculta o que só com longos estudos pode ser revelado? Se é este o estado de tua alma, retira-te, fecha este livro; não te é destinado. É uma obra de trabalho e não de divertimento.


Pesquisas o poder brutal, o domínio deste mundo? Esperas tu achar nestes estudos a possibilidade de saciar as tuas paixões, os teus ódios, amores, ambições, rancores? Este livro não é feito para ti. A pesquisa que ele comporta não te daria senão desilusões, porque o fim que ele se propõe é todo diferente e mesmo oposto.


Procuras o ganho material? Não será aqui que tu o encontrarás; este livro é um estudo desinteressado para dar a todos a felicidade, que vem da paz da alma e do bem feito em torno de si.


Nele não se encontra nenhuma idéia cúpida.


Simples curioso, e tu, ambicioso, que acreditas ter nascido para seres o conquistador do mundo, isso não é para vós, para os vossos corações presos ao tumulto das paixões vãs, que esta obra foi feita. Os segredos reais que ela revela não são para vós que não lhes dais o que pedem estes trabalhos: um coração meigo a uma alma forte.


No estado atual da vossa perturbação, não os compreendereis. Não falamos a mesma linguagem e os propósitos que escolhemos não fariam desaparecer a barreira que nos separa. Não procureis levantar o véu antes de terdes mudado os vossos desejos.


Desgraçados que tendes sofrido e que não tendes sabido perdoar, se procurardes aqui meios de vingança, não volteis mesmo esta página. Este livro é um livro de amor e de altruísmo; não continueis a sua leitura; esperai que a sua leitura apazigue vosso coração.


Daqui até lá, vosso dia ainda não é chegado; não saberíeis ainda ver nestas páginas a ternura e a alegria que quisemos expressar.

* * *

Porém tu, leitor, que tens sofrido longamente e a quem a dor revelou a palavra deste grande enigma que conduz ao limiar da verdadeira senda; tu que queres sair do tormento e inclinar para aqueles que te têm feito mal, uma fronte cheia de bons pensamentos, tu que sinceramente desejas fazer participar aos outros da paz divina que o sofrimento fez brotar do teu coração, este livro é para ti; ele é para todos aqueles que se apaixonam pela pesquisa da verdade e do bem.


Tu, que vens a mim com estes sentimentos, aproxima-te sem medo; enceta ousadamente o caminho iniciático. É este mesmo o caminho que procuras no fundo da tua grande angústia.


É no fim deste caminho que encontrarás a alegria que provém da força calma e soberana, da paz divina que se encontra apenas na senda do bem. Se tens um desejo sincero de encontrar a verdade nestes estudos, entrega-te, com o coração seguro às forças do bem, a estes trabalhos; é aí que encontrarás luz, e procurá-la-emos juntos.


O que te falta, tu que sofres, ferido pelo pelos espinhos do caminho, é este apaziguamento que vem sempre àquele cujo coração está sem ódio e sem cólera. Tu conhecerás este apaziguamento no equilíbrio de teus deveres e de tuas forças e eu te ajudarei a encontrar, a fim de que sua colheita seja doce, como o labor foi penoso; a dor é um semeador cruel, mas muitas vezes necessário.


Queres adquirir as forças não somente para ti mesmo, mas sobretudo para os outros! Se tal é o teu pensamento, tu as encontrarás seguramente. Podes, com toda a certeza, dedicar-te a estes estudos que te seduzem. É na sua prática que adquirirás as energias que desejas. Se a tua ambição é de te aperfeiçoares no silêncio, de apressares a evolução do teu espírito, sem ter nenhuma opinião a respeito do mundo, estuda, trabalha; o resultado não se fará esperar, ultrapassará as tuas esperanças.


Se o teu coração, na vida material, aspira aos mais belos, aos mais vastos horizontes, segue o traço dos iniciados, vem conosco pela senda que vai ter à luz. Embrenha-te por este caminho e verás brilhar uma vida nova sob um sol sempre belo. A Verdade, a Alegria e a Paz resplandecem ao cimo aonde conduz este caminho.


Este livro não tem nada de novo. Seria uma louca pretensão imaginar que se inova seguindo os Sábios e os Iniciados. Em todos os tempos não têm exprimido, cada um segundo a sua própria natureza e a sua própria missão, as verdades eternas? Mas estas palavras são sempre boas para dizer e convém adaptá-las à vida moderna, a fim de que seus frutos sejam abundantes. É a esta tarefa, que no presente livro, votamos todos os nossos esforços.


Mas, se as palavras não são novas, perdem elas as suas forças?


Não se escuta sempre com um novo prazer uma bela música mil vezes compreendida? Aquele que ama não tem uma grande emoção ao escutar murmurar novamente palavras que fazem a sua alegria? Não são elas, sem cessar, as mais preciosas?


E o coração ferido vibra sempre mais docemente às caras lembranças evocadas. E estas lembranças mesmas, o amoroso não se agrada se evocar nas suas horas de solidão? Não lhe empresta uma força sedutora que mostra o futuro tão feliz como o passado? Tudo isso são repetições, mas as repetições são preciosas principalmente a Deus, que não repete senão o que é bom e alegre, que não faz vibrar em torno das almas senão palavras amigas e benéficas que dão a calma encantada.

* * *

A ciência que tu pesquisas é uma ciência de todos os tempos. Seu fim é o aperfeiçoamento do ser humano, é torná-lo feliz – não em procurar-lhe paixões brutais e aviltantes, mas fazendo-lhe conhecer o seu lugar exato no mundo, em revelar-lhe o fim que deve atingir. Os elementos desta ciência são repartidos em muitos livros; propomo-nos à agrupá-los, restituí-los em um método adaptado às novas necessidades de nosso tempo, justificá-los pelos conhecimentos atuais que temos deste grande domínio que é o Psiquismo. Longe dos olhares, agrada-nos folhear essas velhas obras onde dorme a sabedoria do mundo, decifrar os enigmas que os sábios quiseram empregar no tempo da perseguição, reencontrar nos símbolos das religiões antigas, no segredo das iniciações antigas, pensamentos cuja única leitura nos mergulha em um mundo de lembranças do qual o nosso espírito e o nosso coração saem rejuvenescidos e revigorados. É esta alegria, esta serenidade, este vigor novo de toda a nossa pessoa que queremos fazer sentir.


Este livro se propõe, portanto, a fazer sentir e ensinar uma ciência, mas qual? Os autores antigos aprenderam os elementos desta ciência, pelas iniciações que se davam no templo, de maneira severa e medida. Eles dizem, em palavras encobertas, àqueles que as sabem entender, que os dons sublimes constituem o mais magnífico patrimônio, de que se orgulha a humanidade. Aquele que sofre esta ascese possui faculdades que nem imaginava mesmo antes.


Estas faculdades eram latentes nele, e elas teriam ficado sem a cultura que se impõe. Mas, trabalhando, um desabrochar magnífico se produz. A intuição que todos nós possuímos em estado latente e em seus graus diversos, não é mais, entre os adeptos, um dom caprichoso, submetido a variações imprevistas. Elas vêm a ser um sentido aperfeiçoado de que se torna senhor tanto na sua vista como no seu ouvido.


Aprende-se a ver, a ouvir e a sentir, não somente os fatos que afetam os órgãos sensoriais, mas aqueles que se acham fora do domínio deles e aqueles mesmo que se produzem no mundo interior da alma. E assim é para todas as faculdades da alma, todas as quais tomam uma perfeição, uma leveza, uma acuidade que ultrapassa todas as previsões.


Quanto ao fim deste estudo, Salustio definiu perfeitamente, dizendo: "O fim da iniciação é levar o homem a Deus". É pois um desenvolvimento integral.


E o platônico Proclus ajunta: "A iniciação serve para retirar a alma da vida material e lançá-la na Luz".


É, portanto, um desenvolvimento integral de todo o ser para uma beleza mais perfeita; mais moral, mais energia física e intelectual que nos são dadas para ver a vida sob um novo ângulo.


A iniciação permite sentir os ritmos e as harmonias que tornam a vida tão maravilhosa como os belos poemas e sofrer as leis que regem os fatos tangíveis e que mostram a necessidade como o ritmo do universo.

* * *

É, pois, um novo ciclo que começa para ti, leitor, ao cederes à atração apaixonada da ciência. Se te compenetrares dos ensinamentos que vais receber, se souberes refletir, gozarás todos os encantos de uma nova vida. Isto não é simplesmente uma ciência teórica, mas ao mesmo tempo uma doutrina moral e intelectual, um exercício que tem por fim modificar-te profundamente. Segue os conselhos que te serão dados e sentirás o teu espírito engrandecer para abraçar as idéias eternas e magníficas. Teu coração abrir-se-á fraternalmente ao amor. Em ti, como o diamante em seu engaste, reside uma força que pode fazer milagres, mas é preciso que o diamante seja arrancado da pedra; é preciso que seja talhado para receber o puro beijo da Luz e irradiá-lo em fogo cintilante. Que seria a Luz se tu a recebesse sem projetá-la sobre o mundo com tanto poder e doçura quanto ela te é dada?


Este trabalho pode parecer-te penoso; não o é. Primeiramente tu não estarás só. O isolamento pode tornar bem árido os pensamentos mais admiráveis, quando é preciso adquiri-los por si mesmos. Aí ainda serás ajudado, sustentado; sentir-te-ás em harmonia de pensamento com um agrupamento todo fraternal que partilha os teus sentimentos.


A solidão que tens sofrido te conduz a refletir. A desilusão que, talvez, tenhas sofrido te conduz a encarar o mundo e a vida sob um aspecto mais exato. Entregue a ti mesmo, lançaste ao abismo da experiência tudo o que mancha a pureza de tua visão. Duvidaste do bem e do mal; tu te sentiste desamparado, sem apoio, mesmo em teu pensamento, contra o desespero que te assaltava. Agora, é com um passo seguro que vais caminhar por esta Luz que o teu desejo procura, que por instantes se vai revelar no fundo de teu ser agitado. Tens visto clarões como uma brilhante miragem. Tudo está bem mudado atualmente. Esses clarões passageiros tomam uma claridade forte e constante que não deixará em sua obscuridade nenhum traço de teu caminho. Toda a sombra se dissipa quando se procura a Luz fora das trevas do egoísmo. A vida abre-se diante de teus passos, a vida tal como é e deve ser, a vida na sua beleza plena.


Vais caminhar para o conhecimento que não fazias senão imaginar e que tu vais acolher na agradável certeza despertada naqueles que trabalham. Os vastos horizontes do pensamento vão se desenrolar diante de ti, enervando o teu olhar e o teu espírito. E o esplendor dessas visões serenas é tão grande e tão perfeito que a sua beleza penetrará até o teu coração como a harmonia pungente de um canto.


Guiado por suaves encantamentos, avançarás sempre com mais alegria para o panorama soberbo das formas e das idéias até este Templo da Sabedoria que te chama.


O momento em que vives é penoso. As crenças estão em derrota; os homens se voltam para gozarem as suas paixões. O ser caminha muitas vezes sem fé, a esmo. Ele lê, sem prazer e sem apego, o que lhe dizem as religiões e as filosofias; não percebeu o conjunto e encontrou contradições que lhe pareceram desconcertantes. Tornou-se pessimista e não encontrou mais a base da moral. Por outro lado, o mistério não o satisfaz; está ávido de claridade. Chegou a rejeitar tudo, os dogmas e as suas conseqüências. É contra esta forma de espírito que é preciso reagir.


Somos rodeados de forças. Entre elas, muitas são más e não devemos deixá-las dominar-nos. Para resistir utilmente, devemos fazer um apelo às forças superiores, construtivas, que não se recusam auxiliar. Quando as tivermos conhecido e invocado, nos será possível sair do tormento, procurar e, portanto, achar a paz do coração, o desvanecimento do espírito, o ritmo da evolução. Tu que vens a estes estudos já não estás tão isolado. Juntos, o teu coração morto florescerá. Conta com segurança com este auxílio, que te é prometido; mas, primeiramente, esforça-te.


É a ti que pertence dirigir a tua evolução.

* * *

O primeiro ponto a cumprir é conhecer-te. Não é sem causa que os antigos tinha feito deste conhecimento o primeiro estágio da sua iniciação.


Saiba quais são as tuas qualidades e os teus defeitos. Deves desenvolver umas e eliminar outros. Purificar-se é a primeira parte de todas as iniciações tal como se tem praticado em todos os templos e em todos os agrupamentos de filósofos.


Em primeiro lugar deves depurar teu corpo, dar-lhe por uma higiene racional forças e um poder talvez perdidos pela doença e por insuficiência de alimentação, pela falta de ar e de exercícios igualmente prejudiciais. Tu deves adotar uma regra na tua vida mais sã, baseada sobre os princípios que dirigem toda a tua conduta. Teu corpo deve obedecer a teu espírito, e se não está em estado de seguir o movimento de teu pensamento de lhe servirá este pobre servidor? Se seguires as regras que te aconselhei, adaptarás a tua economia material, todos estes órgãos que te são submetidos, aos ritmos que são o eco dos ritmos superiores. Já, por esta cultura, aderirás ao plano divino.


Tomando este cuidado, precisarás fazer a educação de teu espírito. Esforçar-te-ás para ter deste espírito uma direção mais segura, uma vontade calma e operadora. Deves desenvolver em ti as faculdades e não partir desta idéia de que não poderás adquiri-las. Desenvolve também o teu discernimento, porque, sem ele, a vontade é uma barca sem piloto entre os escolhos da vida.


Assim, obterás o império sobre ti mesmo, que te fará senhor do teu inconsciente. Não sofrerás mais o seu impulso, porém, não cedendo senão ao teu espírito, serás tu mesmo em verdade. Cultiva também o silêncio em que te serão revelados os poderes ocultos. Obtém a calma para os teus sentimentos, a fim de que desenvolvam harmoniosamente. Cala-te e reflete na manifestação das opiniões adversas.


Enfim, será a tua força dizer a palavra conciliadora que religa todas as opiniões. Tu não podes, por ti mesmo, possuir toda a verdade. Por que impões o teu pensamento aos outros?


Sê calmo e o teu exemplo pregará melhor ainda do que as palavras. É o primeiro passo a fazeres para a obtenção dos altos poderes, a conquista das forças em ti e ao redor de ti.


E, em seguida, farás a educação de teu coração. É um cuidado que muitos negligenciam; eles têm sofrido pelo sentimento, crêem não poderem fazer nada de melhor do que negar o coração.


Mas, estes males provêm de uma impulsividade muitas vezes atendida.


Deverás primeiramente refrear esta impulsividade, estas perturbações. Atraído pelas qualidades exteriores, estás talvez muito triste por amar pessoas que não respondem ao teu ideal elevado; pedes-lhes sentimentos que florescem em teu próprio coração e, como elas são diferentes de ti, a ternura delas é desviada ou se manifesta de outro modo não desejado por ti, sofrerás profundamente.


Muitas vezes a falta está em julgar os outros de acordo consigo mesmo. É um escolho a evitar. As dores passadas têm isso de bom: elas te servirão de guia para os acontecimentos futuros.


Seu papel é nos tornar clarividentes ao encontro do que mais nos seduz, nos ensinar a paciência para atingir o desabrochar dos sentimentos dos outros.


Refrear, porém, o coração não é suprimi-lo; pelo contrário, quando o caminho parecer seguro, tu poderás, em belo surto, procurar a ternura e a glória de uma afeição partilhada.


E, quanto esta alegria, apurada pela pesquisa de um ideal comum, será mais alta e mais pura!


Isto não será uma vitória ou um prazer passageiro como o objeto de tua pesquisa, mas uma comunhão de idéias que te conduzirá a querer o bem do ser amado antes do teu próprio.


O teu coração alargar-se-á e, à margem das ternuras costumeiras, aprenderás a amar a Natureza, a obter de seu seio amigo as lições de calma, de expansão de uma vida nova, de bondade, de doçura, de fraternidade universal. Gozarás a expansão de uma vida nova, a alegria superior de compreender o que começaste a amar cegamente.


A própria Natureza oferecerá o ensinamento dos altos poderes. Que poderás tu desejar a seu respeito? Estes Poderes que pertencem ao iniciado, obtê-lo-ás se fores digno; e se o fores, em lugar de quereres ter o domínio sobre outrem, não pedirás senão a possibilidade de socorrer aqueles que sofrem, de auxiliar aqueles que procuram o seu caminho para irradiar sobre o universo todas as forças benéficas, como faz o sol de estio.


É que o Verbo humano, imagem de forças mais altas, tem poderes ilimitados, ao uso do qual ele soube se tornar mestre. Tu os experimentarás e poderás conhecer este poder mágico de que todo ser humano é dotado, quando a iniciação o tiver revelado e quando tiveres sabido conquistar o teu próprio império.


Estas forças não devem servir senão para altruísticos.


A realidade dos fatos nota-se sempre quando a ação se torna egoísta. Péladan disse: Aquele que crê pedir ao Hermetismo o poder de seduzir, de vencer seus inimigos, de suplantar os seus rivais, será vencido, perecerá. É a transposição mágica destas palavras de Cristo: Aquele que fere com a espada, com a espada será ferido.


Em torno de ti irradiam forças e vibrações que são tais como as produzes, como tu podes criar e dirigir a teu gosto. Esta atmosfera psíquica influencia aqueles que te rodeiam e pode operar a distância.


Quando penetrares neste arcano, que se não confia a esmo, tu conhecerás o segredo do Poder da atração e tu serás servido por forças misteriosas.


À medida que o Templo da Iniciação se abrir para a tua alma, ainda mais poderes surgirão em ti, a tua vista ainda mais se abrirá sobre Mundos que tu não conheces, mundos que tu não suspeitas.


Teu horizonte é limitado e tu sofres, mas cada passo dado sobre o caminho te animará diante de horizontes infinitos, banhados de santa luz. Mesmo a custo verás quanto este ser humano que te aparece como centro de tudo é pouca coisa no conjunto dos mundos.


Então, convencer-te-ás de qual o teu verdadeiro lugar no Universo e que não tens valor senão de seres uma célula consciente nas lutas sem fim na vida.


Por que terás orgulho? Quem és tu neste cosmo imenso? Considera a tua pequenez e mede-te com o infinito. Perderás todo este orgulho mesquinho, estas vaidades insuportáveis, que ontem te pareciam importantes; desde hoje te convencerás de um fim mais alto e mais nobre.


Mas, se esta contemplação é mortal à tua vaidade, quanto a tua vaidade perderá em força! Pequena célula consciente, convencer-te-ás desta idéia sublime de que tu és submetido ao Ritmo, ou melhor, aos Ritmos, e que eles são os mesmos do átomo até ao astro. E, como tudo o que te rodeia, serás submetido aos Ciclos imutáveis sob o seu aspecto mutável!

* * *

Vê o Ciclo das estações: eis as horas de inverno; tudo nos parece morto sobre a Terra, e não há mesmo mais razão de esperar; as flores e as folhas estão mortas. Depois, passa um pouco de tempo; a alma desperta de um pesado sono e, na Natureza, os tenros rebentos de Março saltam dos nós do bosque morto. É a primavera, é a esperança, é a promessa de vida nova, é a certeza das colheitas próximas.


E, cedo, eis aí o sol brilhante que faz amadurecer as colheitas douradas; todas as flores estão abertas; os frutos estão prestes a amadurecer.


Os longos dias ardentes passam e o outono, rico dos frutos que a primavera nos prometia, leva-nos a realizações esperadas.


A mocidade e as flores passaram e resta apenas a disposição de se preparar para o inverno.


Mas, este inverno da velhice e da morte corporal, é também para ti a estação de repouso e da recompensa, porque tu poderás fazer ricas provisões de felicidade e de bem para tua evolução.


E esta evolução ainda continuará os Ciclos começados, sempre unidos às tuas aquisições, aumentando o resultado de teus corajosos esforços.


À medida que tu fizeres esta maravilhosa ascensão, tu te envolverás mais intimamente com os Ritmos superiores, tu te compreenderás melhor, e melhor expandirás o teu coração, esclarecendo a tua inteligência. Sentir-te-ás em fraternidade com todas as harmonias grandiosas da Criação, que serão para ti um contínuo enervamento. Estes mundos te dirão qual a força misteriosa que dirige neste vasto éter e o teu desejo será apenas de estares de acordo com as harmonias divinas.


A estas forças, enfim conhecidas, farás um apelo. Elas te responderão. Tu te sentiras, sem cessar, inundado de seu poder.


Dar-te-ão elas um poder, um apoio do qual tu não tens a idéia, e este apoio te dará uma felicidade sem sombra, a alegria do dever consentido com o coração consciente e livre. E, pelo imenso éter e por todas as criaturas, sentirás a presença de Deus, que criou todas estas coisas e lhe deu estas leis, cuja beleza perfeita nos deslumbra.


Voltando ao mundo conhecido, conceberás por toda parte uma mesma vida, um igual equilíbrio, matizado segundo diversos modos, mas sempre semelhante e dirigido por uma eterna justiça.


Compreenderás que a tua existência atual, com seus dolorosos sofrimentos e os seus prazeres, é a conseqüência legítima das tuas existências passadas. Tu te submeterás sem murmúrios. Aceitarás as condições más como dívidas a pagar, e as experiências que terás de sofrer serão preciosas porque elas mais depressa te libertarão do pesado fardo da vida. Que alegria nos sentimos cada dia mais livres, mesmo para com uma crença benevolente! Este pagamento é a condição de tua vida, de toda a vida. Mas, a Iniciação te permitirá adquirir mais depressa o próprio domínio, mostrar como deves dar um passo mais ligeiro para estas magnificências, que parecem te chamar e te chamam com efeito.


Cada passo que deres conduzir-te-á para o mundo encantado da perfeição. Sairás da tormenta ou serás tragado por ela. Dissiparás as forças más que pesam sobre ti. Quando conheceres as causas de tudo isso que te acontece, não poderás mais conhecer o desespero, pois que tudo é justo e útil. Passarás do pessimismo ao otimismo e a face do mundo será mudada para ti.

* * *

A alegria, que eu te prometo com certeza, virá mais depressa ainda do que pensas se fizeres por ela um esforço contínuo e se uma Fé viva te sustentar sobre o caminho. A Fé e a Felicidade estão no conhecimento da vida, de seu fim, de seus verdadeiros interesses. Adquirido este conhecimento, chegarás necessariamente a uma outra concepção, amarás as tuas dores passadas.


A meditação e a reflexão, que te parecem muito austeras, serão duas amigas, duas irmãs cheias de ternura que te esclarecerão o caminho.


Trabalhar, meditar, perseverar, adepto futuro, que já te sentes chamado para a Iniciação. É por este meio que te será confiado o Grande Segredo. É incomunicável, dizem os adeptos; e eles têm razão. Primeiramente, esta asserção afasta do caminho os curiosos vãos que não procuram no trabalho senão um divertimento mais sábio do que os prazeres mundanos. Mas, eles têm razão ainda porque seria absurdo imaginar a Iniciação como uma lição a aprender, depois da qual se possuiriam poderes inauditos e forças miraculosas.


É preciso fazer, analisar, adquirir por si mesmo os conhecimentos necessários, desenvolver a acuidade dos sentidos à nossa percepção habitual.


O trabalho pessoal é inevitável; é um longo estudo, que parece árido para alguns, mas que se torna fácil para outros que se entregam a ele com fé; é a própria fé que te ajudará.


Para descobrir o Grande Segredo, estuda-te; desenvolve paralelamente o teu espírito e o teu coração. Estas forças que queres possuir para teu bem e o de teus irmãos, estas forças estão em ti e ao redor de ti; aprende a procurá-las e a descobri-las.


A Natureza está diante de ti como um imenso livro aberto, cujos ritmos sonoros e doces te darão a lei dos outros ritmos pelos quais palpita e se move a vida. Estuda e percebe estes ritmos. Eleva-te para Aquele que os tem fixado com um gesto de sua mão e um sopro de seus lábios.


Procura, e tudo te mostrará Deus, como as mil peças de espelho quebrado te mostra o mesmo sol. E quando tiveres sentido esta unidade do Universo é que virás a ser um Iniciado e que a vida, para ti, terá um sentido novo e inesperado.


Verás que todos os seres são ligados e que seu esforço deverás ser comum. Teu dever é, pois, o de te devotares, ajudares aos outros a encontrar a praia calma que os salvará da tempestade; teu dever é amar os teus irmãos. Já o teu coração sentiu o teu apelo poderoso de altruísmo. Tu não esperas senão conhecer-te melhor, para dares o melhor a ti mesmo, tuas forças, teus sentimentos, teus pensamentos. É assim que tu viverás na alegria.

* * *

O fim que procuras é grandioso; é aquele que tem sido visado por todos os Iniciados; para atingi-lo, desenvolve tua vida interior, tão rica em ensinamentos pessoais. Encerra-te na tua vida, na tua torre de marfim, no teu asilo interior que não deixa dispersar na vaga turbilhonante do mundo os tesouros de teu coração e de teu pensamento.


À medida que subires os degraus desta torre, sentirás primeiramente a imensa alegria do esforço: depois, gozarás, durante longas horas, esta alegria do bem pressentido que se goza de fazer esta felicidade pelos segredos descobertos no livro aberto da Natureza, esta quietude imensa, longe das agitações mundanas e que nos permitem sentir todas as pulsações do nosso coração, todos os movimentos da Natureza, todos os ritmos e as imagens que fazem do Universo um poema imenso e que nos encanta pela sua beleza. É a alta morada da meditação, e esta meditação profunda entrega-nos, sem cessar, às vistas maravilhosas, aos segredos que não imaginamos.


Mas é preciso que tornes a descer imediatamente, não te deixando embeber pelo doce ópio de um misticismo que te faria abandonar a terra e faltar ao teu dever. É preciso equilibrar a Fé pela Ciência e o Sentimento pelo Trabalho.


Todos os nossos deveres estão sobre a Terra; ainda não chegou a hora da nossa libertação. Devemos compreendê-la sem murmúrio e com alegria evoluiremos. Certamente, subindo os degraus da tua torre de marfim, abandonarás, como um fardo muito pesado, as perturbações, as agitações, os egoísmo que te prendem sobre a terra. Mas, uma vez desembaraçado deste fardo, quando tiveres desenvolvido a acuidade de tua sensibilidade, escutarás melhor os apelos daqueles que sofrem e que choram; apurarás os ouvidos para eles, ficarás comovido e, num lance fraternal, voltarás a subir os degraus que tens diante de ti, para tomares em teu coração toda a miséria e toda a dor.


Sentir-te-ás chamado a fazer uma obra útil para conduzires mais felicidade e mais luz, primeiramente ao teu lar, ao teu país, à tua raça, a toda a humanidade.


Teus irmãos têm necessidade de ti. Não resistas ao seu chamado.

* * *

Não é para si só que o Iniciado recebe a Luz. Recebe-a, difundi-a em torno de si como o diamante se coroa de fogo e de irradiações. E estes fogos não lhe pertencem. Vêm deste sol sublime onde o próprio espírito não pode atingir. Não concebas pois orgulho do saber que vais adquirir. Espalha-o e sê feliz do bem que verás florescer. Lutarás com todas as tuas forças contra a vaga sombria das idéias falsas que ensombreiam e entristecem a tua atmosfera. Infundirás a serenidade e a ternura nessa multidão que geme na sombra. Dá-lhe o que tu sabes. Teu dever ideal é sustentar aqueles que enlanguescem e se deixam vencer sem esperança e sem fé, desesperados, cansados, sem coragem. Tu te esforçarás para realizar um ideal que vive sempre latente no seu cérebro e no seu coração, porém que está enterrado sob tantos escombros que não podem formular o pensamento dele, nem tentar realizá-lo em uma ação social.


Todos estendem os braços para um amanhã melhor, que suprimiria a luta das classes e os atritos econômicos, e que faria desaparecer as guerras e extinguir todos os ódios. É aos adeptos que pertence o direito de responder a este apelo desesperado.


A humanidade, ansiosa e dolente, suspira na sombra espessa. As necessidades da hora criam para nós deveres novos. Cabe-nos fazer a luz e a harmonia aí onde eles fazem falta.


Adepto, eis aí o teu ideal. Tu terás o poder de responder e serás ajudado para realizá-lo. A hora soou para ti. Tu deves trabalhar mais do que aqueles que trabalham sem esperança e sem fé.


Apressa-te, pois, se a tarefa é rude, a recompensa ultrapassa a tua esperança.


Notas: (Extraído do livro "A Ciência Secreta" - Ed. Pensamento).



Índice deste setor do site



Nota de Euro Oscar

Postado por: Admin (o próprio Wagner Borges) em sábado
15 de Março de 2003 às 18:49, no seu site www.ippb.org.br

Fonte

www.ippb.org.br - Wagner Borges concedeu-me, muito gentilmente, permissão específica para eu aqui aproveitar os interessantes e úteis materiais do seu amplo site. Wagner Borges, além de ter programas no rádio é conferencista de renome internacional, na área da espiritualidade, paranormalidade e metafísica em geral, proporcionando uma visão abalizada e holística aos interessados. Seu Instituto, o IPPB, ministra excelentes cursos. Muito obrigado ao Wagner pela sua valiosa colaboração.

Retribuição e autorização pública

Wagner Borges não me pediu, porém tem a minha permissão, caso assim queira, para aproveitar no seu site (www.ippb.org.br) qualquer material de minha autoria contido neste site (www.eurooscar.com), a saber: minhas poesias, charadas, palavras cruzadas e textos.
Euro Oscar




Google
 
Web www.eurooscar.com

www.eurooscar.com - Autor: Euro Oscar - © 2008
Direitos Reservados - Contato: eurooscar@gmail.com


Se veio até aqui por um link externo e não vê o menu fixo à esquerda, clique aqui, para melhor usar e controlar o site.


Página inicial do site