Copaíba



Copaíba é nova aposta da medicina fitoterápica


Óleo-resina, extraído do tronco da copaíba. Para a química do Far-Manguinhos Vera Cascon "o óleo de copaíba é uma verdadeira farmácia natural." Peckolt e Barléu tinham a copaíba como uma das dez árvores brasileiras mais úteis na Medicina. O seu óleo já constava em 1677 na farmacopeia britânica e em 1820 na farmacopeia americana (USP).

O efeito anti-inflamatório, gastroprotetor, analgésico e antitumoral do óleo-resina de copaíba já foi comprovado em diversos estudos (Basile et al., 1988; Fernandes et al., 1992; Ohsaki et al., 1994; Paiva et al, 1998), como também o seu potencial como antioxidante, inseticida e repelente de insetos (Desmarchelier et al., 1997; Gilbert et al, 1999).

Avaliações in vivo e in vitro vêm demonstrando que os óleos de várias espécies de copaíferas têm atividade antiinflamatória, cicatrizante, antiedematogênica, antitumoral, tripanossomicida e bactericida.

De acordo com Veiga Júnior; Pinto (2002), as indicações etnofarmacológicas mais usuais são: a) para as vias urinárias, como antiblenorrágico, antiinflamatório, antigonorreico, antisséptico, estimulante e para tratar cistite, incontinência urinária e sífilis; b) para as vias respiratórias, antiasmático, expectorante, no tratamento de bronquite, inflamação de garganta, hemoptise, pneumonia e sinusite; c) para inflamações da derme e mucosas, como dermatites, eczemas, psoríases e ferimentos; d) para úlceras e feridas no útero; e) outras finalidades: afrodisíaco, antitetânico, anti-reumático, anti-herpético, anticancerígeno, antitumoral (próstata), no tratamento da leishmaniose e da leucorreia, contra paralisia, dores de cabeça e picadas de cobra.

Os óleos de copaíba das espécies Copaifera martii, Copaifera officinalis e Copaifera reticulata,colhidos no Acre, mostraram-se ativos contra bactérias de espécies gram-positivas (Staphylococcus aureus, S. aureus (resistente à meticilina), Staphylococcus epidermidis, Bacillus subtilis e Enterococcus faecalis) - muito temidas nos hospitais, inclusive após as cirurgias - Os óleos mostraram atividade bactericida, diminuindo a viabilidade dessas bactérias no decurso de 3 horas.

Todos os cronistas importantes na História do Brasil referiram-se às virtudes do óleo de copaíba. Um dos primeiros foi Gabriel Soares de Sousa (c1540-c1592), que registrou em sua obra "Tratado Descritivo do Brasil" o uso do óleo pelos índios, incluindo-o entre os provenientes "das árvores e ervas da virtude". Parece que o uso do óleo pelos índios veio da observação do comportamento de certos animais que, quando feridos, esfregavam-se nos troncos das copaíbas. Aplicavam-no principalmente como cicatrizante e no umbigo de recém-nascidos para evitar o mal-dos-sete-dias. Os guerreiros quando voltavam das lutas untavam o corpo com o óleo da copaíba e se deitavam sobre esteiras suspensas e aquecidas para curar seus ferimentos. Esse antibiótico da mata salvou vidas de muitos caboclos e índios seriamente feridos.

Pero Magalhães Gandavo, importante cronista, narra em "História da Província de Santa Cruz", de 1576: “As copaíbas, mato dentro da capitania de Pernambuco, dão bálsamo mui salutífero e proveitoso ao extremo, para muitas enfermidades. Causa grandes efeitos, e tira todas as dores por graves que sejam em muito breve espaço. Para feridas ou quaisquer outras chagas, tem a mesma virtude, e sara todos que lhe acodem mui depressa, e tira os sinais maravilhosamente e nisto traz vantagem sobre todas as outras medicinas.”

Frei Vicente do Salvador relata em “História do Brasil”, de 1627: “As copaíbas estilam do âmago um precioso óleo, com que se curam todas as enfermidades de humor frio, e se mitigam as dores que delas procedem, e saram quaisquer chagas, principalmente de feridas frescas, posto com o sangue, de tal modo, que nem fica delas sinal algum, depois que saram.”

Há 20 espécies dessa árvore, que pode chegar a 45 metros de altura. 4 são as principais fornecedoras do óleo: C. reticulata Ducke, C. guianensis Desf, C. multijuga Hayne e C. officinalis L., responsáveis por 80%, 10%, 5% e 5% da produção brasileira, respectivamente. Milenar nas culturas incas, maias, indígenas e povos da floresta e de toda a região amazônica. Conhecido também como Bálsamo da Amazônia e Óleo da Vida, graças às suas inúmeras propriedades regeneradoras, curativas, nutritivas, lubrificantes e tônicas.

Há incontáveis depoimentos sobre as muitas propriedades terapêuticas desta resina.O óleo é vitroso, transparente, viscoso e fluido, amargo, com cor variante do amarelo ao marrom claro dourado. Insolúvel em água e parcialmente solúvel em álcool. Exposto ao ar, escurece e se torna mais denso e viscoso.

Esse óleo é capaz de impedir o crescimento de um tipo de câncer de pele, com a vantagem de ser pouco tóxico (ao contrário de outras drogas). O Instituto Nacional de Câncer (Inca), do Rio de Janeiro, comprovou o poder antitumoral desse óleo em tubos de ensaio e em testes com animais.

O óleo de copaíba é ótimo antisséptico, cicatrizante e antiinflamatório e é capaz, também, de impedir o crescimento do trypanosoma cruzi, protozoário causador do mal-de-Chagas, que atinge oito milhões de brasileiros e contra o qual não há ainda uma droga eficaz. Vera Cascon e outros do mesmo Laboratório desenvolvem um creme vaginal para combater os virus do HPV, causadores do carcinoma do colo do útero (um problema que atinge cerca de 30% das mulheres brasileiras).

Precauções: Quando se fizer uso de medicamentos, a tradição recomenda observar um intervalo de 2 horas antes ou após a utilização do mesmo. Havendo reação alérgica, suspenda o uso imediatamente e procure um médico. Se for tomado em quantidade muito superior à indicada podem ocorrer vômitos.

Contra-indicações: Gestantes e lactantes. Aliás isso ocorre com a maioria das plantas medicinais, por melhores que sejam.

Este texto é meramente informativo e não se destina a incentivar nenhum tipo de auto-medicação. Colsultem-se sempre bons profissionais da saúde, atualizados e conscientes. Espero que cada um consiga achar esse tipo de profissionais, quando necessário.

Autor deste texto acima, o qual não tem nenhuma ligação com o programa Globo Repórter: Euro Oscar, por meio de pesquisas em dezenas de fontes da Internet. A cópia do texto é permitida, com citação do autor e deste site.


Índice de todos os vídeos


Fonte do vídeo (video's source): Youtube