Revista Amaluz - 114



Linhas Ley e o Significado de Adão - 12

Por Richard Leviton e Robert Coons



(Obs. de E.O.: Dividi o texto em
16 partes, para a INTERNET)


A Malha, operando por meio de suas configurações estelares locais geomanticamente simbólicas, constitui uma série de epifanias, de unificações harmônicas, Notas de oitava de Árvores dentro de Árvores, cada qual emitindo sua nota num coral celeste/terrestre. Prossegue passo a passo, começando com as efígies de Zodíaco locais. Quando a Cão Maior ressoar no sistema do Zodíaco da Região das Estrelas de Verão, e quando todas as 144 efígies existentes nesta Cúpula de Zodíaco forem harmonizadas, então o sistema como um todo poderá ressoar corretamente e preencher seu planejado lugar geométrico no coro de oitavas do Zodíaco. Quando cada uma das 144 Cúpulas de Zodíaco for harmonizada, quando os 12 Vórtices do Zodíaco estiverem ressoando, então a Távola Redonda/Árvore da Vida global poderá, através de Avebury, cantar no coro do sistema solar no qual nossa Gaia é uma voz a cantar docemente. Dessa forma é preenchida a posição de Gaia de Cavaleiro do Graal na Távola Redonda do Rei Sol, sendo concluída a harmônica solar.


Quando o humano, vivendo o mito de sua verdadeira identidade de Cavaleiro do Graal composto de matéria estelar a percorrer o templo do Zodíaco local, unifica consciência num centro estelar por meio de uma variedade de expedientes (por exemplo, meditação, salmodia, canto, dança, concentração em cristais, respiração dirigida, rituais de grupo, canalização de seres superiores, realização de visualizações de cor), isto leva clareza, concentração e harmonia ao aspecto local da Malha 1746 Eletromagnética. As energias humanas e planetárias são equilibradas por meio da participação humana consciente nos nodos de Malha.


Quando compreendermos a Malha como o sistema imune e digestivo de Gaia, e quando considerarmos, além disso, o desastre ecológico onipresente que jogamos em Seu colo (sem falar do horrível plano astral humano ilusório por nós criado acima da Terra na forma de uma permanente faixa marrom de fumaça), então poderemos ver claramente a urgência para purgar, limpar e harmonizar o Ser Humano/Gaia novamente. Não somos separados: a ecologia de Gaia é nossa espiritualidade; Seu desequilíbrio é nossa psicose. É uma questão de manutenção recíproca. Ao manter a Mãe, mantemos a nós mesmos, Seus filhos. Ao purificar Seu corpo, limpamos nosso próprio corpo. Ao alimentá-La, somos por Ela alimentados. Como observa o geomante britânico Reshad Feild: "Embora este sistema de malha exista no mundo natural, é feito, também, para o homem e a mulher, e dessa forma o necessário trabalho de transformação tem de ‘atravessar’ o invólucro do ser humano." (14*)


Esta é verdadeira ecologia planetária, amor pela "Casa da Terra," pois reconhece o laço indivisível entre Terra e Humano, Casa e Morador, Mãe e Filho, mediado por nossos corpos de Malha homólogos. E podemos contar com a ajuda tanto do Reino Elemental (o suposto reino "lendário" de gnomos, fadas, sílfides, etc.) e dos Reinos Angélicos, em harmonia com os Elohim, os "pais" de Adão na Terra.

A Iluminação de Adão

O templo ao ar livre construído de pedras e cristal, posicionado em centros de Cúpula, divinamente capacitado pelos Elohim em harmonia com o Reino Elemental, e ritualmente habitado por humanos vivos em termos de consciência, unia Céu e Terra por intermédio do Homem. O templo terrestre também funcionava como Porta da Malha através da qual a consciência humana, inicialmente presa pelo campo gravitacional/consciência da Terra, poderia realmente deixar este plano e entrar "no reino dos Deuses." Por meio dessa Porta da Malha, os Deuses podiam também canalizar suas vibrações espirituais e mensagens.


O antigo ziggurat, por exemplo, era uma Porta da Malha ou mediador Céu/Terra. O nome acádio/babilônico era zukiratu, cuja conotação era "tubo de espírito divino," ao passo que no idioma sumério, os ziggurats eram chamados ESH, que significava "supremo," "superior" ou "fonte de calor." Além disso, o ziggurat, na legendária Niffer (na confluência norte dos rios Tigre e Eufrates) era considerado a sede dos Deuses, chamada KI.UR (ou DUR.AN.KI) que significava "lugar da raiz da Terra" e "lugar onde surgiu o laço entre Céu e Terra," lugar onde havia um "alto pilar em direção aos céus." (15*)
Obviamente esse lugar era um importante centro de Cúpula da cultura suméria.


Como atestam os mitos irlandeses, o sidhe, ou túmulo de pedra e terra elevado, era a casa de Tuatha de Danann, a residência santificada e poderosa dos Deuses antigos. Newgrange, dotado de cúpula, o Brugh na Boinne, era sua casa principal na antiga Irlanda. Os Deuses, através de suas residências, eram a fonte de sabedoria da humanidade reverente das primeiras eras, e embora os Deuses possam ter ocupado seus palácios etéricos localizados nos centros de Cúpula, os humanos nesse ínterim, e posteriormente, construíram templos físicos para marcar os locais e servir de porta vaivém.


Desse modo, as Cúpulas que trouxeram aos meridianos de Gaia Amor de Alto, também trouxeram sabedoria para Adão, o primeiro habitante homem/mulher. As Cúpulas eram a fonte de sabedoria, as cúpulas sábias. A cultura megalítica foi um ambiente sagrado, podendo ser mais bem descrita como magolítica, ou seja, o tempo dos Mago das Pedras. Mas os agentes das Cúpulas Sábias, os Magos (ou Mágicos) das Pedras, depois de certo tempo julgaram por bem não deixar sua assinatura muito destacada e removeram a letra e (da palavra wise — sábio, em inglês), deixando-nos sabedoria (wisdom em inglês). Mas até mesmo com essa omissão, eles deixaram sua letra de próprio punho, pois o e retirado das cúpulas sábias é o e de Elohim.


O Elohim também deixou pronta a tecnologia de consciência com o fim de facilitar a recuperação, pelos humanos, de sua sabedoria angélica, através das estruturas interdimensionais posicionadas nos locais de Cúpula. Idade da Pedra, qual o quê! Os Elohim deixaram um grande cartão de visitas em Avebury, imaculado depois de muitos milênios. Da mesma maneira que Avebury é central para a natureza e operação da Malha da Terra, também era, e permanece, fundamental para o surgimento (e despertar final) de Adão, a primeira manifestação coletiva de homem e mulher fisicamente individualizados na Terra. Quando compreendermos um pouco melhor Avebury, poderemos começar a responder as perguntas fundamentais subjacentes a toda esta complexidade da vida: Por que é que existe uma Malha? Por que existe uma Terra? Por que existe a vida humana?


O Círculo de Avebury tinha originalmente 94 pedras, das quais 72 foram criadas pelos Elohim, e 22 foram depois trazidas de outros lugares. Em volta do Círculo de Avebury há um fosso grande (aproximadamente nove metros de profundidade) limitado em ambos os lados por uma barragem. O fosso parece um imenso sulco correndo ao redor do Círculo; possui uma vibração intensamente feminina, como um rio de luz silenciosa e suave a correr branco no canal de terra, como um sussurro entre as barragens. Ao se caminhar lentamente pelo fosso, é possível sentir a Mãe primordial a sussurrar aqui com seus Filhos do Círculo.


No Círculo de Avebury a terra foi retirada de um todo e removida. Podemos considerar o círculo um disco gigantesco. O fosso é o sulco do disco. Se tocarmos o disco com a agulha de nosso Espírito, então ouviremos um pouco de música angélica em som estéreo. As 94 pedras são os amplificadores da música. O Círculo de Pedra é, dessa forma, um sistema de som cósmico ao ar livre, o local dos concertos originais de Rock (pedra, em inglês).


Aqui temos em ação o conceito de harmônica geomântica. O círculo de pedra tem uma harmônica de ressonância pré-codificada específica, uma mensagem específica musicalmente escrita, ou Canção. A forma composta do círculo representa uma escultura cimática congelada, um registro em estéreo de paisagem permanente do Espírito. O círculo de pedra personifica um Tom derramado nos éteres da Terra, em seguida moldado em termos terrestres num disco que se pode tocar. O fosso é o sulco primário do disco, e a primeira depressão de onda emanada do lugar onde o tom de "pedra" foi originalmente difundido no local (ou seja o centro do círculo). A Cúpula que fica acima é o sino que leva o tom quando "tocado" do Alto pelo músico. O local da Cúpula canaliza este Tom por meio de seu instrumento musical geomanticamente calibrado, o círculo de pedra, sendo as pedras circundantes os alto-falantes de "som estéreo." O tamanho e complexidade estrutural próprios do disco de pedra megalítico estão diretamente relacionados à importância evolutiva do Som gravado. As melodias de maior sucesso ganham os círculos de pedra de diâmetro maiores.


Avebury é, desse modo, um dos maiores discos de pedra de Gaia, ocupando uma área em Wiltshire de 28 1/2 acres, com circunferência de fosso de 1,28 quilômetro. O antiquário britânico do século 17 John Aubrey, ao escrever sobre Avebury, afirmou: "Avebury excede Stonehenge em grandiosidade, assim como uma catedral supera uma igreja de paróquia comum." O estudioso britânico do século 20, Harold Bayley (em The Lost Janguage of Symbolism, — A Linguagem Perdida do Simbolismo, 1913) corroborou o entusiasmo de Aubrey, anunciando: "O Templo inglês de Abury (sic) caracterizava não apenas o Tempo como também o Absoluto maior, a mais extraordinária Alma do tempo, que tudo envolve, o eixo da Existência." Por que Avebury é tão importante?

Próxima (13)   Anterior (11)   Índice

Referências

(14*) - Feild, Reshad, "Some Notes on the Subject of Ley Lines and Geomancy," published in Germany, 1986.


(15*) - Sitchin, Zecharia, The 12th Planet, Avon, New York, 1976.

FONTE DO TEXTO

(http://www.amaluz.com.br).
Publicado originariamente na revista Amaluz, e agradeço publicamente aos seus responsáveis, pela oportunidade de aproveitar matérias muito interessantes. A Amaluz foi editada até o ano 2000 e era uma excelente publicação. Faço votos de que possa renascer, com a mesma qualidade e sucesso de antes.
Euro Oscar




Google
 
Web www.eurooscar.com

www.eurooscar.com - Autor: Euro Oscar - © 2008
Direitos Reservados - Contato: eurooscar@gmail.com


Se veio até aqui por um link externo e não vê o menu fixo à esquerda, clique aqui, para melhor usar e controlar o site.


Página inicial do site