PARÁBOLAS BUDISTAS 33

UM BANDO DE BÊBADOS

Era uma vez, quando Brahmadatta era rei, o Sábio Iluminado nasceu em uma rica família. Ele tornou-se o homem mais rico de Benares.


Havia também um bando de bêbados que perambulava pelas ruas. Todos eles viviam pensando em como conseguir álcool, a droga sem a qual eles achavam que não poderiam viver.


Um dia, quando haviam ficado sem dinheiro, o que era normal, planejaram uma intriga para roubar o riquíssimo homem de Benares.


Mas eles não perceberam que ele era um Bodhisattva renascido, por isso não seria tão fácil enganá-lo.


Desenho de Sandro Neto Ribeiro

Eles decidiram fazer um "drinque especial", que era uma bebida alcoólica à qual se adicionava secretamente um sonífero.


O plano deles era fazer com que o rico homem tomasse o "drinque especial" e quando ele se sentisse sonolento, poderiam roubar todo seu dinheiro, jóias e as ricas vestimentas que ele estivesse usando.


Então eles montaram temporariamente um pequeno bar à beira da estrada. Colocaram o restante da bebida em uma garrafa e colocaram algumas fortíssimas pílulas do sono.


Mais tarde, o rico homem seguia seu caminho em direção ao palácio. Um dos alcoólatras o chamou, "Honorável senhor, por que não começa bem o seu dia - Tomando um drinque conosco? E o primeiro é por conta da casa." Então colocaram um pouco da bebida falsa em um copo.

Mas o Sábio Iluminado não tomava qualquer tipo de bebida alcoólica. Todavia, ele perguntou a si mesmo por que aqueles bêbados estavam sendo tão generosos, oferecendo-lhe sua bebida favorita. Isto não era próprio deles.


Ele imaginou que deveria ser algum tipo de trapaça. Resolveu ensinar-lhes uma lição. Ele disse: "Poderia parecer um insulto, estar diante do rei em estado alcoólico, ou com este suave cheiro de bebida em meu hálito. Mas por favor sejam pacientes e esperem por mim aqui. Eu os verei novamente quando retornar do palácio."


Os bêbados ficaram desapontados. Eles não seriam capazes de beber novamente, tão rápido quanto eles queriam. Mas decidiram ser pacientes e esperar.

Mais tarde, naquele dia, o rico homem voltou ao pequeno bar à beira da estrada. Os alcoólatras estavam desesperados por uma bebida.


Eles o chamaram novamente e disseram: "Honorável senhor, por que não celebra sua visita ao rei? Tome um gole desta bebida fina. E lembre-se, o primeiro é grátis.


Mas o rico homem olhou fixamente para a garrafa e para o copo. Então, disse: "Eu não acredito em vocês. Aquela garrafa e o copo de bebida estão exatamente como nesta manhã. Se era tão bom como vocês disseram, vocês mesmos deveriam ter experimentado um pouco. De fato vocês não poderiam me ajudar a beber. Eu não sou tolo. Vocês devem ter colocado algum remédio no álcool."


O riquíssimo homem de Benares seguiu seu caminho, e o bando de bêbados foi embora, para sua humilhação e vergonha.

MORAL DA HISTÓRIA

Mantenha-se sóbrio - e mantenha o seu bom-senso.

A tradução deste texto é uma preciosa colaboração de Luciana Silva de Campos, Izabella Salomão e Germinal Rodrigues Ferreira, com ilustração de Sandro Neto Ribeiro.


O CHACAL QUE SALVOU O LEÃO

Certa vez, viveu um leão em uma floresta, um dia ele foi tomar água no córrego e sua pata ficou presa no fundo muito lamacento do córrego e ele não conseguiu se desprender.


Ele teve de esperar dias sem comida já que não havia ninguém por perto para ajudá-lo. Certo dia porém, um bondoso chacal estava passando e cavou uma passagem na areia e com a força extra do leão ajudou-o a se libertar da lama do córrego.


O leão ficou muito feliz por isto e agradeceu ao chacal por ter salvado sua vida. Ele ofereceu ao chacal uma moradia perto da sua e prometeu alimenta-lo sempre que tivesse conseguido comida.


Então o chacal começou a viver com o leão e eles dividiam a caça. Mas logo suas famílias cresceram e os filhotes vieram.


Depois de passado muito tempo, a leoa, senhora do lar leonino, começou a se cansar desta amizade entre o chacal e seu companheiro.


Ela passou esta mensagem a seus filhotes, que repassaram aos filhotes do chacal, que reclamaram com a fêmea chacal.


A fêmea chacal contou tudo ao companheiro. O chacal foi até o leão, e disse a ele que se ele não queria sua presença ali, já deveria ter dito isto a muito tempo.

O leão ficou surpreso com tal afirmação e assegurou ao chacal que não existiam tais sentimentos doentios entre eles e assegurou que iria falar com a leoa sobre isto.


Mas o sábio chacal disse então, "Amigo, eu sei que você é sincero. Mas nossas famílias podem não compartilhar o mesmo grau de sentimento que temos um pelo outro.


Então, seria melhor se minha família ficasse separada da sua." O leão concordou e as duas famílias se separaram, mas o chacal e o leão continuaram sua amizade e costumavam sair juntos para as caçadas.

MORAL DA HISTÓRIA

Não espere que seus familiares partilhem do mesmo sentimento que você nutre por alguém.

A tradução deste texto é uma preciosa colaboração de Izabella Salomão

Próxima   Índice   Anterior

MORAL DA HISTÓRIA

"Recusando-se a prejudicar os outros, o bom de coração vence a tudo."

A tradução deste texto é uma preciosa colaboração de Teresinha Medeiros dos Santos, com ilustração de Sandro Neto Ribeiro

Próxima   Índice   Anterior

FONTE DOS TEXTOS

As Mais Belas Histórias Budistas, página criada por Sandro Neto Ribeiro.


http://www.vertex.com.br/users/san



Sorria ao acordar
e antes de dormir!

Muito obrigado pela visita,
veja sempre as novidades!






Google
 
Web www.eurooscar.com








Se não vê à esquerda o menu
rolante do site, clique aqui.

If you do not see the left
scrolling menu, click here.





Home