Poesias de Euro Oscar - 10





Índice

A TV DOS SONHOS
A TV DOS SONHOS (em acróstico)
REMINISCÊNCIAS, DE VEZ EM QUANDO



A TV DOS SONHOS

Se o nosso corpo abriga um templo,

que o quarto de dormir seja sagrado.

Não seja a TV de mim co-proprietária,

não despeje amargas imagens no meu copo.

Quero sorver o que me possa servir,

para sonhar inda desperto. Depois, re-sonhar.


Personagens felizes da minha infância,

roupagens e vernizes da adolescência.

Como é bom ser sempre jovem, criança.

Assistir no videoteipe os sonhos que vivemos.

E crescer, como ser. As fugas nos trazem rugas.

Permaneçam sempre as cores e sabores da pureza.


Inocência. Se a TV fosse ensaboada na sua alma!

Se apagassem os tiros, crimes e agressões que traz,

e do outro lado do espelho viessem, como presentes,

os antigos seriados e desenhos, artigos excelentes!

Pusessem nos novos o DNA deles descendente!

Minha sala seria mais feliz. Se as TVs soubessem!


Copyleft. Cópia permitida, citando-se o autor Euro Oscar
e o site www.eurooscar.com. Se na Internet, pôr um link.



A TV DOS SONHOS
(em acróstico)

Eis que o nosso corpo abriga um templo.

Ungido seja o teu quarto, o sono é sagrado!

Retira a TV, que despeja amargas cenas no copo.

Ousa sorver só o que te possa servir. Sonhar!

Os personagens da infância, da adolescência,

Sabem nos sonhos nos revivificar. Memórias!

Cores e sabores da pureza, tão bem gravados.

A TV de hoje deveria ser ensaboada na alma,

Ririam mais, as famílias. Se as TVs soubessem!


Copyleft. Cópia permitida, citando-se o autor Euro Oscar
e o site www.eurooscar.com. Se na Internet, pôr um link.



REMINISCÊNCIAS, DE VEZ EM QUANDO

Os quadros seriam os mesmos nas paredes,

em cenas que a mente filmou. Pai, mãe, o passado.

Tudo se foi, ficam as memórias dos bravos e amados.

Está intata a planta da casa? Hoje é um restaurante,

já há vinte anos. Tradicional e seleta freguesia.

As lembranças, curiosas, já cogitaram ir lá, comigo.


A rua, mudada, modernizada, burocratizada. Espigões!

Nessa cozinha terão crescido sementes de sonhos meus?

Esgueiram-se entre as panelas os nossos gatos persas?

Os vira-latas amigos, quase irmãos, olham os convivas?

As tardes de futebol aguardam-me na esquina?

O porteiro de lá usa o meu avental branco do colégio?


Enquanto me dirijo às histórias digiro as boas memórias.

Lembro-me da marquise, que usava às vezes como cama,

sobre o guarda-roupa. Subia pelo beliche. Que aventura!

Lá lia Robinson Crusoe, tão devagar, em goles diários,

até adormecer. Calejado pelo colégio noturno, sonhava.

Tempos difíceis! Racionamentos, maus relacionamentos.


Melhor que as memórias sejam românticas. É o que importa!

Não gosto muito de reviver o passado. Mistério ou proteção?

Misto de índio, cigano, indiano e tibetano, sinto o fluir,

concentro-me no agora e no perto futuro. Conserto o escuro,

talvez abismo, que parece ser o ontem, os ontens frustrados,

castelos de areia, com a areia da minha ampulheta!


Copyleft. Cópia permitida, citando-se o autor Euro Oscar
e o site www.eurooscar.com. Se na Internet, pôr um link.



Próxima (11)         Índice geral         Anterior (9)



Sorria ao acordar
e antes de dormir!

Muito obrigado pela visita,
veja sempre as novidades!






Google
 
Web www.eurooscar.com








Se não vê à esquerda o menu
rolante do site, clique aqui.

If you do not see the left
scrolling menu, click here.





Home