XAMANISMO: PASSAGENS SECRETAS - 5

OS SEGREDOS DO MUNDO INTERIOR



ARCANO 15, O XAMÃ

Uma qualidade maravilhosa está escondida no Arcano 15 do Tarô, um Arcano muito mal compreendido, até pelas pessoas inspiradas que desenharam o Tarô de Marselha. Essa figura com chifres na cabeça nada tem de diabólico. É muito antiga. Já se encontrava gravada na rocha, há 35 mil anos atrás, em uma caverna pré-histórica da França.


Um xamã dessa época se vestiu com uma pele de animal, colocou na cabeça chifres de cervo, identificou-se com um cervo, para recuperar a divina sensibilidade animal, essa total harmonia, essa unidade com a Natureza, que permite prever se o inverno será rigoroso, que permite sentir onde se esconde a manada dos cervos, para que a tribo possa caçar, matar um cervo. Poderia matar muitos cervos, mas respeitava. Precisa de um, mata um. Respeita a vida. Fazia o que faz um ator. Imaginava-se um cervo, como um ator se imagina o rei Lear ou Othelo. Não era um animal, era um homem em comunhão com a alma dos cervos. Era muito mais do que um cervo. Era mais do que um homem comum. Era um homem inspirado.


Os gregos fizeram dessa figura o Deus Pã, o Deus da Natureza, esse Deus que toca a maravilhosa flauta de Pã. Mas, quando se acentuou a divisão entre o espiritual e o material, o material, o terrestre, foi rejeitado como inferior. A vida foi rejeitada, o senso da vida foi rejeitado. O Buda queria fugir do Universo e os cristãos fizeram dessa figura o diabo: como se a vida fosse diabólica! Como se a obra divina fosse um fracasso!


A Coroa é apenas uma sofisticação dos chifres e significa a comunicação, pelo topo da cabeça, com o Céu, o Divino, o Infinito. A comunicação do Céu e da Terra. Plutão.


Quando imaginamos chifres no topo da nossa cabeça, podemos sentir acima da nossa cabeça. Podemos sentir, acima da nossa cabeça, o céu. Podemos sentir o Infinito. Podemos sentir o Infinito da nossa consciência. Tornamo-nos consciente da nossa totalidade, espiritual, astral e material. Somos presentes no mundo real, na sua plenitude e seu esplendor.


A Coroa era feita para lembrar ao rei da sua dimensão infinita, e que para governar no plano material sem se deixar hipnotizar pelas aparências, ele devia receber inspiração e poder do seu Eu Superior. Poucos reis foram Rei. Mas sempre existiram xamãs, pessoas autenticas, capazes de curar o corpo, a alma, o destino.

VIAGEM INTERIOR
O XAMÃ DA PRÉ-HISTÓRIA

Deixe sua imaginação viajar no Tempo.
Deixe sua imaginação sonhar,
entrar no túnel do Tempo.


Caminhando...
caminhando para chegar
a essa caverna,
nesse templo da pré-história.
As tochas estão iluminando um pouco
as paredes da caverna.
Você pega a pele de animal,
veste a pele de cervo.
Coloca na sua cabeça
os chifres de cervo,
entra em comunhão
com o mundo animal,
sem deixar de ser você.
Entra em comunhão
com o mundo dos cervos.
Assim, em estado de graça,
em estado de graça de cervo,
você está saindo da caverna.
Chegando na mata,
em total comunhão com a Natureza,
com o céu, com o céu em você
com a terra, com a terra em você.
Trabalhando para a tribo,
em total comunhão com a Natureza.
No ar, respirando o cheiro do inverno
que se aproxima.
Percebendo... percebendo o sabor
do inverno e como o inverno será.


Você focaliza sua atenção
na manada dos cervos.
Onde está,
onde está a manada dos cervos?
Sentindo... percebendo no ar
onde ela se esconde.
Você diz à tribo
onde a manada se esconde.


Uma mulher com um filho doente
se aproxima de você.
Com a sensibilidade do cervo,
você sente a doença,
a doença na criança,
sente o que é.
Focalizando sua consciência
na Natureza,
nessa vida ao redor de você.
Inspirando o ar da mata,
inspirando o ar da vida
e soprando sobre a criança.
Soprando seu alento
sobre a criança,
para que ela possa viver.
Inspirando o cheiro da mata,
o cheiro das árvores e,
com a sua mão direita,
transmitindo a Energia da mata
para a criança.
Falando com a mãe.
Dizendo à mãe que ela deve
dar um presente
aos espíritos da mata.
A criança já está sorrindo.
Mas a mulher
deve dar um presente
aos espíritos da mata, das árvores.
E você começa a cantar.
Cantar para os espíritos
das árvores, da mata.
Começa a cantar para o cervo,
para o cervo que
os caçadores vão matar.
Cantando para pedir licença,
pedir licença.
Cantando... cantando
para o cervo que vai morrer,
para a tribo sobreviver.
Cantando para o vento,
para o mar.
Cantando para o fogo,
para a água do lago.
Cantando para a terra.
E você dança.
Você dança a dança da terra.
Dança a dança da água.
Dança a dança dos pássaros.
Olhando a fogueira.
Inclinando-se
em frente às chamas.
Cantando para as chamas.
Dançando a dança das chamas.
Dançando as chamas.
Em comunhão.
Em total comunhão com as chamas,
entra na fogueira e dança.
Dança a felicidade.
Dança a beleza do mundo.
Dança o amor.
E canta uma boa caça.


Mas vem uma pessoa muito doente.
Você entra no mundo interior dela,
entra nela.
Viaja no mundo interior dela.
É perigoso.
Tem ribanceiras, abismos.
Grandes aves de rapina, monstros.
Mas você chama
seu Animal de Poder, seu aliado.
E você destrói os monstros
no mundo interior da pessoa.
Você destrói os espíritos ruins.
Morde, arranha.
Você se faz fogo, queima-os.


E você volta, volta a ser você.
Dançando... dançando a saúde.
A pessoa se sente melhor.
Você sabe que daqui a uma Lua
ela estará totalmente curada.
Você tira os chifres da sua cabeça.
Troca a pele de cervo
para sua roupa quotidiana
e você vive sua vida quotidiana.
Na mata,
os caçadores estão voltando.
Amanhã você irá caçar com eles.
Quando vem a noite,
você entra na catedral subterrânea.
Na caverna, no templo da Terra.
E o cantar dos pássaros
entra com você
nas profundezas da Terra,
e a mata, o vento,
entram com você.
As manadas de cervos,
a cachoeira e a beleza da Natureza
entram com você na caverna,
nas profundezas da Terra.
A dança entra com você.
Sim, o cantar dos pássaros
canta nas profundezas da Terra
com você.
Você traz o cantar dos pássaros
para as profundezas da Terra.
Oferece o cantar dos pássaros
até as profundezas da Terra.


Focaliza sua consciência
no Templo do Sol.
Para o você de agora
no Templo do Sol.
Você é você de agora,
mas você se lembra.
Você se lembra.

COMENTÁRIOS

O Arcano 15 representa Plutão. Até hoje, em muitos lugares, os xamãs usam chifres, para entrar em estado de graça, em comunhão com o Divino ao redor de nós, o Divino na Natureza. Ou eles usam um cocar, penas de águia. O céu na cabeça. Os pés na terra.


Quando você tira o Tarô e o Arcano 15 aparece, você sabe: aqui existe uma canção de poder. Aqui há uma cura.

OUTRAS PÁGINAS

Próxima   Anterior


índice geral

FONTE DOS TEXTOS

http://www.dassigny.com.br

© COPYRIGHT

Reprodução autorizada pelo autor desse website citado acima, desde que o mesmo seja mencionado como fonte e um link seja posto para o mesmo.



Sorria ao acordar
e antes de dormir!

Muito obrigado pela visita,
veja sempre as novidades!






Google
 
Web www.eurooscar.com








Se não vê à esquerda o menu
rolante do site, clique aqui.

If you do not see the left
scrolling menu, click here.





Home