O Tao do Ocidente: 28


Palavras de Sabedoria:
49 e 50.


49- "Não subestime o inimigo."
Ninguém de sã consciência, pode dizer que tem satisfação em ter inimigos. No entanto, no transcorrer de nossas vidas, no contato diário com as exigências da vida social, agradamos alguns e desagradamos a muitos. Não importa quão inocentes possam ser nossos atos, palavras ou intenções, elas sempre incomodarão alguém. Há um dito popular que afirma que "não se pode agradar a gregos e troianos", portanto não estamos dizendo nenhuma novidade. A observação é, como se vê, muito antiga.

Num processo de aperfeiçoamento pessoal, ao mesmo tempo em que retificamos alguns padrões de comportamento e abandonamos outros, temos que estar atentos às realidades do cotidiano. O crescimento seja a nível material, seja a nível espiritual, não inclui enterrar a cabeça na areia como avestruz, como se nada estivesse sucedendo à nossa volta. O termo inimigo, tem uma conotação muito forte, violenta mesma, indo desde a ideia de alguém que não é amigo, passando por uma aberta hostilidade, até a existência de um ódio profundo.

No Tai-Chi, esta situação apresenta as metades distorcidas, onde o não-amor se mostra como um câncer que se alastra. É uma situação desarmônica nada bonita. Com o intuito de amenizar sua própria doença, aquele que tem ódio, rancor e má-fé, acaba por se agredir mais, DEVORANDO-SE, ao mesmo tempo em que vai destilar mais ódio para seus inimigos. O corpo está parado, mas a mente funciona com grande eficiência. A respeito, foram sugeridas atitudes muito sensatas, como por exemplo AFASTAR-SE DAS ÁREAS DE ATRITO. Quando se diz que o amor tudo vence, há um pouco de poesia e ingenuidade na afirmação.

A quem nos iremos queixar quando o inimigo, extremamente hábil, nos fizer um dano irreparável? Nós estamos num processo de crescimento, e não há razão para que as energias PACIFICADAS de que precisamos, sejam desviadas para um assunto decididamente prejudicial. Se de todo não for possível o afastamento total dessa pessoa, procure manter-se tão tranquilo quanto possível, pratique por alguns segundos o wu-wei (mente-vazia/não-fazer) e logo se sentirá melhor preparado para a encarar serenamente a situação. No mais, a identificação dos inimigos, não-amigos ou pessoas sistematicamente hostilizantes, é tão importante para nossa evolução, como o levantamento de nossos próprios defeitos de caráter.

50- "Vencer sem lutar."
Nos propusemos a trilhar um caminho que nos levasse a um aperfeiçoamento pessoal. A tarefa pode demorar pouco tempo ou muitos meses. O processo é dinâmico e contínuo. Haverá sempre algum ponto que gostaríamos de melhorar. E isto vai acontecendo na medida em que a gente cresce mais um milímetro. Os parâmetros passam a ser outros, mais exigentes, aprimorados e harmoniosos e portanto menos desgastantes. Temos uma boa noção de que vencer, está mais ligado ao alcançar do que ao obter. De qualquer maneira, o vencer deve ser obtido sem luta, pois que assim, ao preservar nossa integridade na serenidade, na tranquilidade e na Harmonia, também estaremos acumulando energia pacificada e as virtudes do Tao.

Passar num concurso sem se consumir, é vencer sem lutar. Melhorar no trabalho sem ter que bajular, é vencer sem lutar. Viver uma vida em paz, sem prejudicar ninguém, é vencer sem lutar. É uma linda perspectiva também, gozarmos de saúde emocional, de desenvolvermos nossa criatividade, de podermos educar eficientemente nossos filhos. Tudo isto também é viver sem lutar. Pois que lutar não significa brigar, pelo contrário, é a movimentação de nossas melhores qualidades e daquelas que formos ganhando no processo de crescimento.


Próxima (29) | Anterior (27) | Índice


Fonte do Texto

O Tao do Ocidente.
Direitos reservados © 2000.
P. G. Romano.
pgromano@hotmail.com
Agradeço a esse autor por permitir que esta edificante obra seja aqui veiculada, para o bem de todos.


Buscar no Site


Buscar na Web


Home