O Tao do Ocidente - 5


O Tao é Universal

No dicionário encontramos: universal - relativo ao Universo. E Universo? Para não tornar as coisas muito complicadas, vamos dizer que nosso Universo é o conjunto constituído pelos corpos celestes (planetas, cometas, estrelas...) e pelo espaço que eles ocupam. Assim, o fato do Tao ser universal, significa que sua ação se dá em todo o Universo. De uma ponta à outra. Tudo e todos que estão neste Universo, ficam sujeitos à Ordem do Tao. Este atributo se estende a outros eventuais Universos e dimensões. Nada lhe escapa.

O Tao estava presente antes do começo, e estará depois do fim. O Tao atua no passado, no presente e no futuro, ao mesmo tempo. Imagine o Universo e todos os seus fatos, amarrados como uma imensa rede de pesca. Esta rede se estende em todas as direções, em todos os níveis e em todos os tempos. Como cada fato está em um nó todos os pontos mantêm algum tipo de relação. É o Tao que mantém a Unidade desta fantástica rede. Ao mesmo tempo, o Tao é a propria rede.

Por esta característica tão singular, entre outras coisas possíveis de serem feitas pelo Tao, está a solução de problemas e situações desarmônicas. Ora, a melhor solução para uma determinada questão, pode estar localizada no passado, em algum fato que não foi devidamente registrado. Se não consta em livros ou outros documentos, jamais encontraremos a solução, a melhor solução. Se for algo que não aconteceu no passado, pode exigir um tipo de manobra de torção no tempo e no espaço, que seria tirar a resposta do futuro, e aplicar no presente. Não sabemos como isto se faz, mas o Tao sabe.

Um exemplo disso, é quando pensamos em alguém, e a pessoa logo nos telefona. Toda hora esta manobra acontece. Um dos fatores que claramente distinguem o Tao de qualquer outro conceito ou entidade, é que sua ação se dá tanto sobre elementos materiais, como nos sutis, vale dizer, corpos que de alguma forma podem ser medidos e avaliados, e aqueles que transcendem as regras da Física, como os imponderáveis, incluindo aí os pensamentos. Neste aspecto, o Tao é insuperável. Poderíamos chamar este atributo de onipotência? Sim, poderíamos. O uso dessa palavra, entretanto, não seria a melhor escolha.

Pode ser também, que nosso idioma não tenha uma palavra pronta para mais corretamente explicar as categorias abrangidas pelo Tao. Aceitemos este termo, para não nos alongarmos desnecessariamente. O mais importante, é ter em mente esta qualidade do Tao. Em que tipo de situação, encontramos a atividade do Tao? Em todas, literalmente em todas.


Tai-Chi

O símbolo chamado Tai-Chi (círculo dividido em duas partes), mostra que toda situação é dual, isto é, constituída de duas partes opostas e complementares. Numa guerra, encontramos a própria guerra, complementada pela paz. Num romance, o amor e o não-amor. Em alguma idéia que estejamos desenvolvendo, vamos ter, quem sabe, a criatividade e a falta de imaginação. São pares opostos, mas que se complementam, para dar unidade e existência à tal situação. Ora, vimos anteriormente que o Tao tem como campo de ação todos os espaços, categorias e situações.

No Tai-Chi, podemos visualizar a ação corretiva do Tao. Como qualquer problema pode ser expresso por um Tai-Chi, a análise correta de seus pares, nos indica o caminho a tomar, primeiro passo para a ação rearmonizadora do Tao. De uma simples dor de cabeça a um lance de criação artística ou à compreensão do nascimento e morte de uma estrela. Até que ponto mínimo, ou profundidade máxima, vai a ação do Tao? Naquilo que se refere à matéria, o nível inferior está abaixo do das partículas sub-atômicas. E o superior, além dos confins do Universo.

Um bom termo para designar esta dispersão do Tao, é difuso. O Tao é difuso, ele se espalha de todas as regiões, para todas os locais, não importando seu tamanho. Imagine esta característica, como se fosse uma substância muito volátil, como o éter por exemplo, penetrando em todos os pequeninos espaços. Desta forma, o Tao alcança todos os menores elementos, e é claro, os maiores também. Na verdade teria que ser assim mesmo, pois os grandes são feitos dos pequenos, e o menor, dos menores ainda.

Quando a ciência acha uma nova partícula, o Tao já está lá. Ele não se adiantou, porque sempre esteve ali. Os grandes problemas do Universo e de suas Leis, são tão complexos, que sequer podemos imaginar sua natureza. Sendo o Tao um solucionador de problemas, todas suas características e atributos, são inimagináveis. De fato, não há palavras para os descrever, e esta é a razão para estarmos dando voltas e mais voltas, para tentar explicar pela razão, fatos que seriam imediatamente compreendidos pela intuição.


Próxima (6) | Anterior (4) | Índice


Fonte do Texto

O Tao do Ocidente.
Direitos reservados © 2000.
P. G. Romano.
pgromano@hotmail.com
Agradeço a esse autor por permitir que esta edificante obra seja aqui veiculada, para o bem de todos.


Buscar no Site


Buscar na Web


Home